11 de outubro de 2018 Reviews e Análises


Em 2015 foi lançado o primeiro filme baseado nas obras de Robert Lawrence Stine, o famoso autor do livros infanto-juvenis de terror Goosebumps, chamado Goosebumps: Monstros e Arrepios.

Goosebumps 2: Halloween Assombrado conta a história de dois amigos  Sonny Quinn (Jeremy Ray Taylor) e Sam Carter (Caleel Harris) que acidentalmente acabam libertando o boneco de ventríloquo Slappy (Rick Galinson) ao abrirem um manuscrito inacabado de R.L. Stine (Jack Black).  O boneco então depois de "vivo" decide dar vida às decorações de Halloween da cidade, provocando um verdadeiro caos na busca de criar sua própria família.


Quando vi que ia lançar o filme me questionei do porque não ser uma sequência de fato do primeiro Goosebumps lançado em 2015, que conta a história do próprio R.L Stine que é interpretado por Jack Black, depois entendi que queriam tentar manter a pegada do seriado dos anos 90 em homenagens aos livros, com a história avulsas, criando uma historia do retorno de Slappy, que era um dos montros principais criados e que tinha um episódio só dele.
Apesar dessa mudança de elenco e enredo, ainda existe uma ligação entre um filme e outro,  que é mostrada através de uma pesquisa no computador, APENAS.



A história ficou legal, o filme é divertido, mas acho que é um filme de Halloween voltado mesmo para o público mais infantil. Quem cresceu nos anos 90 e acompanhou “A Hora do Arrepio” não vai encontrar muito mais além dos personagens que já conhecemos dos livros e da série em si. Assim como na primeira sequência. A falha que percebo no roteiro está em relação aos personagens, onde eles nos são apresentados mas não criam um laço com o público. Sonny Quinn (Jeremy Ray Taylor) e Sam Carter (Caleel Harris) até conseguem um pouco assim, tentar cativar, criar apego, mantendo um diálogo com humor leve, próprio para crianças, e até mesmo arrancar algumas risadas dos mais velhos, mas nada além disso. Já a irmã mais velha de Sonny, Sarah Quinn (Madison Iseman) que teria tudo para ser uma protagonista interessante, não cativa, não permite que o público realmente se envolva com ela e seu desejo de ser escritora.




O clima de Halloween contagia, a direção é legal, os efeitos são muito bons, de verdade, são efeitos muito bem elaborados que me deixou até na dúvida se teria uma maquiagem ali por trás também, e mesmo assim esta incrível. É um filme visualmente bonito.



Acho que apesar de ser um filme legal, me deixou com vontade de ver de fato uma continuação do primeiro e não uma história paralela, poderia ter sido feita uma ligação nas histórias e torná-lo mais divertido e misterioso, já que essa pegada foi deixada de lado, e era a marca registrada do seriado dos anos 90. Por isso talvez tenha me frustrado um pouco.

NOTA: 3,0